Pesquisa feita no PR mostra que, apesar do aumento no uso de inoculantes na soja, processo de aplicação ainda tem falhas

Uma pesquisa realizada a partir da parceria entre a Emater e a Embrapa no Paraná identificou a importância da fixação biológica do nitrogênio para o aumento do potencial produtivo da soja.

Segundo a pesquisa, as áreas produtivas do estado, na safra 2017/18, que contaram com a inoculação na soja, tiveram um aumento médio de produtividade de 1,8 saca por hectare, enquanto a coinoculação resultou em um aumento de 5,6 sacas por hectare.

Nelson Harger, gestor da área de produção sustentável de grãos da Emater/PR, lembra que o nitrogênio é o principal nutriente da cultura da soja. “Quem pensa em alta produtividade precisa ter uma planta bem nutrida de nitrogênio”, ressalta.

No estudo, eles identificaram que apenas 60% dos produtores utilizavam inoculantes com o plantio. Contudo, muitas vezes esses inoculantes eram apenas “jogados” na caixa da semeadeira, de forma que estes ficavam mal distribuídos, separados da semente.

 

O inoculante, enquanto uma bactéria, precisa ter uma relação de troca com a semente de soja. Assim, isso deve ser feito no pré-plantio, para que o nitrogênio seja fixado e a boa produtividade seja garantida.

Leia Circular Técnica 143 na íntegra: 

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Compartilhar em: