O ensino da Fixação Biológica do Nitrogênio

solonEm artigos anteriores mencionamos o pouco tempo dedicado pela maioria das escolas de agronomia ao ensino da Fixação Biológica do Nitrogênio – FBN, tanto em sua parte conceitual como na prática do uso de inoculantes nas lavouras de leguminosas espalhadas pelo país. Isto resulta que os agrônomos formados e que vão prestar assistência técnica ou administrar lavouras tem que buscar estes conhecimentos em outras fontes.

Tendo em vista a relevância da FBN para a vida na terra e seu papel vital no cultivo de leguminosas, com destaque para a soja, o agrônomo que sai da faculdade e se depara com a necessidade de orientar o agricultor no uso de inoculantes tem que buscar em outras fontes o conhecimento que ficou faltando em sua formação profissional. Mas para quem está no campo nem sempre é fácil encontrar estes conhecimentos de forma ordenada, com resultados e orientações consolidadas.

Visando minimizar esta lacuna, a ANPII montou um curso à distância, com todos os princípios básicos da fixação biológica e contemplando de forma muito enfática a prática, ou seja, o uso de inoculantes na lavoura. Fruto de longa vivência no campo da inoculação em seus diversos aspectos, a ANPII com a forte colaboração dos departamentos técnicos das empresas associadas criou este curso para mostrar os caminhos iniciais da tecnologia do uso do nitrogênio biológico como forma de suprir as plantas neste nutriente.

O curso está formatado em cinco módulos: o primeiro é uma explicação da importância da FBN para a vida na terra, dos princípios bioquímicos do processo da fixação, quais tipos de bactérias participam do processo e como se formam os nódulos a partir da associação planta/bactéria. O módulo 2 já entra mais na parte prática, conceituando o inoculante, os tipos existentes, as características que identificam o que seja um bom produto.

O módulo 3 é destinado a mostrar resultados do uso do inoculante no aumento da produtividade, a necessidade da inoculação anual, o uso em outras leguminosas além da soja e utilidade do inoculante não só para a cultura na qual ele é usado, mas os efeitos benéficos sobre a cultura seguinte. O módulo 4 é destinado a mostrar como usar o inoculante, quais as práticas na lavoura que permitem tirar o máximo benefício desta técnica, a interação do inoculante com outros nutrientes e tudo o mais que permita que o inoculante expresse seu máximo potencial no suprimento de nitrogênio.

Finalmente, no módulo 5 encontra-se o inoculante para gramíneas. Seu funcionamento, os excelentes resultados da pesquisa, mostrando aumentos de produtividade, como usar e também falando sobre a co inoculação.

Ao final encontram-se links para acessar os principais centros de pesquisa que trabalham com a FBN, bem como para acesso direto a trabalhos para aqueles que desejem aprofundar seus conhecimentos no tema. Encontram-se também os links para as empresas associadas.

Este curso está sendo divulgado inclusive junto às escolas de agronomia e de técnicos agrícolas, para que os professores que ministram este assunto tenham em mãos um material sucinto, como ponto de partida para incrementar cada vez mais o uso desta tecnologia que traz economia para o agricultor e para o país, com incontáveis benefícios para o ambiente. Periodicamente o curso será atualizado e novos conhecimentos serão incorporados sempre que surgir algo relevante neste tema. O compromisso da ANPII é manter o tema FBN sempre atualizado, para que o agricultor brasileiro sempre possa tirar o máximo proveito da tecnologia de inoculação para aumentar sua produtividade.

 

Compartilhar em: